segunda, 27 de janeiro de 2020

Artigo

O que é “Pé equino”

09/04/19 07:40

O pé equino é uma condição na qual o movimento de flexão para cima da articulação do tornozelo é limitado, ou seja, alguém com equino não possui a flexibilidade necessária para trazer a parte superior do pé para a parte da frente da perna. O equino pode ocorrer em um ou ambos os pés. Quando envolve ambos os pés, a limitação do movimento é, por vezes, pior em um pé do que na outra.

Ana Paula Simões*

Pessoas com equino desenvolvem formas de “compensar” a sua mobilidade limitada do tornozelo, e isso muitas vezes leva a sobrecarregar o outro pé, perna, ou gerar problemas nas costas. Os métodos mais comuns de compensação são achatamento do arco (pé plano) ou caminhar com mais carga ou impacto no calcanhar contralateral, colocando maior pressão sobre a região posterior do pé. Outros pacientes compensam andando na ponta do pé, enquanto um número menor dobra de forma anormal o quadril ou joelho.

Existem várias causas possíveis para a limitação dos movimentos do tornozelo. Muitas vezes é devido à tensão no tendão de Aquiles ou músculos da panturrilha (o músculo sóleo e/ou o músculo gastrocnêmio). Em alguns pacientes, esta contratura – ou encurtamento – é congênita (presente no nascimento), e às vezes é uma característica hereditária.

Outros pacientes adquirem a tensão após um acidente ou ficar muito tempo imobilizado com o pé nesta posição, como em muletas ou fixadores externos, ou com a frequência do uso de sapatos de salto alto. Além disso, a diabetes pode afetar as fibras do tendão de Aquiles e causar o encurtamento.

Às vezes, o equino está relacionado com um osso, bloqueando o movimento do tornozelo. Por exemplo, um fragmento de um osso quebrado na sequência de uma lesão no tornozelo, ou bloco ósseo, pode ficar na articulação e restringir o movimento.

O equino pode também resultar de uma perna sendo mais curta do que a outra. Menos frequentemente, o equino é causado pelo espasmo do músculo da panturrilha. Esses espasmos podem ser sinais de um transtorno neurológico subjacente.

Problemas relacionados com pé equino
Dependendo de como um paciente compensa a incapacidade para dobrar corretamente o tornozelo, pode desenvolver ou evoluir para uma variedade de condições, incluindo: fascite plantar ou esporão (dor no calcanhar); câimbras na panturrilha; tendinite (inflamação no tendão de Aquiles); metatarsalgia (dor e / ou calos na sola do pé); pé plano; artrite do médio-pé (área central do pé); úlceras de pressão sob o calcâneo ou o arco plantar; joanetes e dedos em garra; dor no tornozelo; e dores nas pernas

A maioria dos pacientes com equino não sabe que têm essa condição quando vai pela primeira ao médico. Em vez disso, eles vêm ao médico em busca de alívio para problemas nos pés associados ao equino.

Para diagnosticar o equino, o especialista irá avaliar a amplitude de movimento do tornozelo quando o joelho é flexionado (dobrado), bem como em extensão (esticado). Isso permite que o cirurgião identifique se o tendão ou músculo é encurtado e que avalie se o osso está interferindo no movimento do tornozelo. Raios-x também podem ser solicitados, assim como avaliação neurológica.

Tratamento sem cirurgia
O tratamento inclui estratégias destinadas a aliviar os sintomas e as condições associadas com equino através de uma ou mais das seguintes opções: ortese noturna: o pé pode ser colocado em uma tala durante a noite para mantê-lo em uma posição que ajuda a reduzir a tensão do músculo da panturrilha; elevadores calcanhar: colocando elevadores calcanhar dentro dos sapatos ou o uso de sapatos com um salto moderado tira o estresse do tendão de Aquiles ao caminhar e pode reduzir os sintomas; palmilha com suporte do arco ou aparelhos ortopédicos: dispositivos ortopédicos personalizados que se encaixam no sapato são frequentemente prescritos para manter o peso distribuído de forma adequada e para ajudar a controlar o desequilíbrio muscular/ tendão; e fisioterapia: para ajudar a liberar a rigidez muscular, exercícios que esticam/ alongam o(s) músculo(s)  da panturrilha são recomendados.

Em alguns casos, a cirurgia pode ser necessária para corrigir a causa do equino se ela está relacionada a um tendão encurtado ou um osso bloqueando o movimento do tornozelo. O cirurgião ortopédico deve ser especialista em tornozelo e pé. Ele vai determinar o tipo de procedimento que é mais adequado para o paciente.

Fonte

- Por Ana Paula Simões**Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.



Categorias: SAÚDE


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
×

Olá! Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?