sábado, 28 de março de 2020

ECONOMIA

Diaristas perdendo renda devido à ameaça do novo coronavírus

26/03/20 07:00

Porto Velho, RO – Os próximos meses deverão ser angustiante para os trabalhadores brasileiros: principalmente os informais – como as diaristas, por exemplo. Apesar das recomendações das autoridades para que a população se mantenham em quarentena, os trabalhadores informais temem não ter como sustentar os filhos ou mesmo ter acesso fácil a equipamentos de proteção contra.

A diarista, sem carteira assinada, e sem nenhum tipo de contrato de trabalho, Maria José Silva, 56, “não sei como vai ficar nas próximas semanas”. “Sei dos riscos mais não posso parar de trabalhar, trabalho dia sim, dia não, se não, quem vai pagar minhas contas no final do mês?”, indagou ela que mora no Residencial Cidade de Todos, na Zona Leste.

Para Margareth Faustino Sousa, 45, ‘mesmo correndo risco de contrair o vírus no translado ou na casa da patroa, o pior é não ter o que comer para mim e meus filhos’. Segundo ela, ‘sem registro, quem vai me garantir os R$ 200 prometidos pelo Presidente Bolsonaro?, reclamou.

Algumas Mulheres ouvidas pela reportagem na tarde desta quarta-feira (25.03) disseram que, sem trabalho ‘não tem o que comer ou alimentar os filhos’.

Sem renda, mesmo com a ajuda de pessoas, entidades ou do próprio Governo, os trabalhadores informais, segundo o consultor Manoel Rivaldo, ‘não podem parar por uma iminência de contrair o novo coronavírus por não ter o que comer em casa’. Em todo o caso, o poder público poderia esticar o orçamento para isso, ressaltou ele.

A maioria dos trabalhadores informais na cidade de Porto Velho, de acordo com dados de Centrais Sindicais, ‘durante essa fase de risco do coronavírus os cidadãos mais fragilizados, não tem renda e para complicar não tem acesso ao benefício anunciado pelo Governo, a situação, tende a piorar durante essa crise de medo e tensão que assola o País, sobre tudo, à falta de políticas publicas que apresente resultados na área da saúde pública e do trabalho’, pontuou lideranças sindicais ligadas à Força Sindical no Sul do Amazonas.

 

Fonte

Da Redação/CNR | Por Xico Nery



Categorias: ECONOMIA


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
×

Olá! Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?