sábado, 29 de fevereiro de 2020

Crítica ao autoritarismo

20/01/20 15:22

Se existisse uma categoria no Prêmio Oscar para melhor abertura de um filme, “Jojo Rabbit” poderia levar a estatueta até com certa facilidade, pois os primeiros minutos dirigidos por Taika Waititi, que também interpreta Adolf Hitler, são uma autêntica aula de como é possível estabelecer pontes entre elementos reais para criar um mundo paralelo.

É exatamente o que faz ao mesclar, por exemplo, cenas de fanatismo da juventude nazista com melodia dos Beatles. O uso de cores bem estouradas acentua a ideia de que o filme nos transporta para conhecer um fictício menino de 10 anos, em uma pequena cidade alemã, que tem como amigo imaginário o líder nazista.

Para complicar, a sua mãe (Scarlett Johansson, numa interpretação breve, mas marcante), que encontra na dança uma maneira de fugir à realidade opressiva, esconde na casa deles uma menina judia (bela e serena interpretação de Thomasin McKenzie). Os diálogos entre os dois jovens, repletos de contrapontos ideológicos resultam numa sutilmente construída paixão.

O grande mérito do filme está exatamente em sua atmosfera. A crítica ao nazismo é feita pelo ridículo e pelo riso, o que não é tarefa fácil. O diretor sai vitorioso dessa empreitada por lidar com as múltiplas contradições expostas sob um olhar delicado e humano que alerta para o risco de pensamentos autoritários, violentos e sectários serem prevalentes em qualquer sociedade.

  • Por Oscar D’Ambrosio*

OSCAR



DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
PUBLICIDADE
×

Olá! Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?