sábado, 18 de janeiro de 2020

SAÚDE

Casos de hanseníase registram queda na Capital

16/01/20 08:43

O Brasil ocupa o 2º lugar no ranking mundial da doença, com 30 mil casos novos registrados por ano.

A Capital teve 63 novos casos de hanseníase diagnosticados em 2019, dois dos quais em menores de 15 anos. Em 2018 foram diagnosticados 86 casos novos. A Secretaria Municipal de Saúde alerta a população quanto aos sinais e sintomas da hanseníase e mobilizará os profissionais de saúde para a busca ativa de diagnóstico precoce e prevenção de incapacidades para promover, sob coordenação geral de Vigilância e Doenças em Eliminação, a Campanha Nacional de Luta contra a Hanseníase no Brasil.

A proposta é diagnosticar é prevenir, tendo em vista que a hanseníase tem tratamento e cura. Mas o diagnóstico tardio pode provocar incapacidades físicas e deformidades visíveis. A campanha visa enfatizar o combate ao estigma e discriminação, porque a hanseníase não é mais uma doença como vista no passado.

O tratamento está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nas Unidades de Saúde do Município e no Centro de Especialidades Médicas (Avenida Rio Madeira com a Avenida Sete de Setembro), no bairro Agenor de Carvalho, e é feito com uso de medicamentos orais, constituídos pela associação de 2 ou 3 medicamentos, denominado poliquimioterapia (PQT), padronizado em todo o Brasil.

O tratamento normalmente dura entre 6 e 12 meses, dependendo da forma clínica, e o paciente deve comparecer mensalmente ao serviço de saúde, para ser examinado, receber a medicação (Dose supervisionada) e orientações. O paciente que inicia o tratamento não transmite a doença a familiares, amigos, colegas de trabalho ou escola. Todas as pessoas que convivem ou conviveram com o paciente de Hanseníase devem ser examinadas.

A hanseníase é uma doença infecciosa e contagiosa que causa manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas na pele. A pele também pode ter alteração de sensibilidade e o paciente não sente (ou tem sensibilidade diminuída) ao calor, frio, dor e mesmo ao toque. É comum ter a sensação de formigamentos, fisgadas ou dormência nas extremidades (pés e mãos) e em algumas áreas diminuições do suor e de pelos.

O paciente pode ter dificuldades para segurar objetos, pode queimar-se e não sentir ou, por exemplo perder os chinelos sem perceber. A doença pode provocar o surgimento de caroços e placas em qualquer local do corpo. A transmissão ocorre através do contato direto com doentes sem tratamento, pois estes eliminam os bacilos através do aparelho respiratório superior em meio às secreções nasais e gotículas da tosse e espirro. O Brasil ocupa o 2º lugar no ranking mundial da doença, atrás da Índia. São cerca de 30mil casos novos registrados por ano, a falta de informação ajuda a agravar o problema.

 

Fonte

Com informações da Comdecom



Categorias: SAÚDE


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
×

Olá! Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?