domingo, 29 de março de 2020

DENUNCIA

Autoridades não apuram denúncias de comercialização ilegal do ‘Minha casa, Minha vida’

14/02/20 11:07

Porto Velho, RO – Mais de 200 unidades habitacionais construídas pelo Governo Federal através do Programa Minha Casa Minha Vida no Residencial Cristal da Calama podem ter sido vendidas através da intermediação de supostos corretores de imóveis e outros por meio de anúncio entre grupos de WhatsApp.

Mais de 200 unidades habitacional do programa federal “Minha Casa, Minha Vida” no Residencial Cristal da Calama em Porto Velho. As irregularidades, envolve proprietários e supostos corretores de imóveis e incluem a venda e o aluguel de casas, além da cessão do imóvel para pessoas que não estão cadastradas por meio de anúncio entre grupos de WhatsApp.

As denúncia é de autoria de pessoas contempladas que não aceitam conviver com invasores que ocupam as casas por mais de dois anos. O maior número de invasões, segundo eles, ‘ocorreram no governo de Confúcio Moura, a partir do sorteio realizado no Clube Talismã que teria sido suspenso e anulado, à época, pela Secretaria de Assistência Social (SEAS).

Sobre as invasões que continuam acontecendo sem que os culpados sejam investigados pela Polícia Federal a pedido do Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal (CEF), os dois gestores financeiros do Programa Minha Casa Minha Vida, em Rondônia, além da venda ou aluguel das casas, o Coordenador de Habitação da SEAS, José Gadelha, em reunião no Cristal da Calama, afirmou que ‘o Governo Estadual não tem qualquer responsabilidade’.

Ele revelou, contudo, que, ‘a partir do momento que a SEAS entrega o imóvel aos beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida, o órgão encerra sua responsabilidade sobre os imóveis’, a informação foi dada por moradores a este site de notícias, eles revelaram, ainda, que, ‘Gadelha teria sido avisado sobre a tentativa de homicídio que vitimou uma mulher que reagiu contra a ocupação ilegal de um imóvel ao menos duas semanas.

Apesar de o CORREIO DE NOTÍCIA ter dado vários alertas, através de inúmeras reportagens sobre a suposta prática criminosa, até o momento, não ouve nenhuma manifestou sobre o assunto por parte das autoridades.

A comercialização (aluguel e venda) de imóvel, sem a respectiva quitação, é nula e não tem valor legal. Segundo informações obtida com exclusividade, quem vende ou aluga fica obrigado a restituir integralmente os subsídios recebidos e não participará de mais nenhum programa social com recursos federais. Já quem adquire irregularmente perderá o imóvel. Esta condição é informada ao beneficiário por ocasião da assinatura do contrato.

 

Fonte

Por Xico Nery



Categorias: DENUNCIA


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
×

Olá! Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?