sexta, 19 de julho de 2019

CUSTO DE VIDA

Inflação fica em 0,43% em fevereiro, maior para o mês desde 2016

12/03/19 10:47

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, acelerou e ficou em 0,43% em fevereiro. É o maior resultado para o mês desde 2016, quando registrou 0,9%.

Em janeiro, a inflação ficou em 0,32%. Já em fevereiro de 2018, registrou 0,32%. Os dados foram divulgados nesta 3ª feira (12.mar.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

No ano

No acumulado dos primeiros 2 meses do ano, o IPCA está em 0,75%, acima dos 0,61% registrados no mesmo período de 2018.

Já no acumulado de 12 meses alcançou 3,89%, acima dos 3,78% dos 12 meses imediatamente anteriores. O índice está abaixo do centro da meta do governo para o ano. Em 2019, o Banco Central persegue o alvo de 4,25% para inflação, com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Em 2018, o IPCA fechou em 3,75%, abaixo do centro da meta para o ano, que era de 4,5%. No ano anterior, ficou abaixo do piso da meta pela 1ª vez desde a criação do plano de metas, em 1999, durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

O QUE INFLUENCIOU

Em fevereiro, 6 dos 9 grupos investigados pelo IBGE registraram alta nos preços. Os principais destaques foram: Educação (3,53%), responsável pelo 2º maior impacto positivo do mês, e Alimentação e Bebidas (0,78%), grupo que mais influenciou o avanço.

Segundo o IBGE, o avanço em Educação “reflete os reajustes praticados no início do ano letivo, em especial nas mensalidades dos cursos regulares, cujos valores subiram, em média, 4,58%”. No mês anterior, o grupo havia registrado inflação bem menor, de apenas 0,12%.

O grupo Alimentação e Bebidas apresentou desaceleração em relação a janeiro, ao passar de 0,9% para 0,78%. A alimentação no domicílio subiu 1,24%, influenciada principalmente pelas altas observadas em feijão-carioca (51,58%), batata-inglesa (25,21%), hortaliças (12,13%) e leite longa vida (2,41%).

Já pelo lado das quedas, destacam-se carnes (-1,23%), arroz (-1,23%), frango inteiro (-1,69%) e tomate (-5,95%). A alimentação fora de casa recuou 0,04%.

Habitação subiu 0,38% no mês. A alta foi influenciada principalmente pelo preço da energia elétrica (1,14%), que, de acordo com o instituto, subiu “em razão dos aumentos nas alíquotas do PIS/COFINS na maioria das regiões pesquisadas”.  Ainda neste grupo, o gás encanado subiu 4,11%.

No mês, 2 grupos registraram deflação: Transportes (-0,34%) e Vestuário (-0,33%). Já Comunicação registrou estabilidade.

Em Transportes, destacaram: passagens aéreas (-16,65%), gasolina (-1,26%) e etanol (-0,81%). O diesel, por outro lado, subiu 0,36%, o gás veicular, 7,75%, e ônibus urbano (1,5%).

Fonte

Mariana Ribeiro/Poder360 / Tânia Rêgo / Agência Brasil / Dados são do IBGE



Categorias: Sem categoria


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site CORREIO DE NOTÍCIAS DE RONDÔNIA. Todos os mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

avatar
×

Olá!

Em que posso ajudar?

× Como posso ajudar?